segunda-feira, 25 de junho de 2007

É imortal, sim, seus cretinos!


Inter 0 x 2 Grêmio

Brasileirão 2007 - Sétima rodada - Chiqueiro - Rio Guaíba - Porto Alegre

Os cretinos armaram tudo pra nos dar uma surra. Mandaram poucos ingressos para o Olímpico, acreditando que o Grêmio se apequena longe da torcida. Gritaram ão, ão, ão!, passaram o aviãozinho, levaram o nosso caixão, máscaras do Riquelme, bandeiras do Boca, cartazes com flautas. Achavam que tinham criado ali, no chiqueiro, um ambiente intimidador para quem tinha sido ferido de morte nos últimos dias.

Eles só esqueceram de uma coisa. Pra ganhar do Grêmio, precisa jogar bola.

Sabe aquela história do peru, que o bicho é tão tosco que basta riscar um círculo no chão em volta dele que o coitado não sai dali? Pois é, quando a gente quer amarrar o Inter, parece que basta escalar um lateral no meio-campo.

Ontem, aproveitando a nossa mais completa falta de alternativas para a posição do Tcheco, o Mano repetiu a estratégia que deu certo na final do Gauchão do ano passado: deslocou o Lúcio para a meia, entrou com o Bruno Teles na lateral e, em um movimento, reforçou a defesa e ganhou o meio-campo.

O cocolorado se atrapalhou todo. E não precisou de muito tempo pra começar a entregar o jogo. Numa recuada de bola para o Clemer, todo mundo na sala gritou:


- Aperta que ele peida!

E o frangueirão peidou mesmo. Deu aquele chutinho mascado que foi cair no pé do Lúcio, que foi pra dentro deles. Ceará, com aquele cabelinho ridículo, foi recuando, recuando, recuando, enquanto o Índio voltava desesperado. Quando os dois defensores ficaram lado-a-lado, Lúcio tocou no meio deles e foi área adentro. O zagueiro deles ainda tentou agarrar nosso lateral/meia pela camisa, mas desistiu. Daí só restou ao canhoto bater de direita com jeito e matar o senhor de idade todo vestido de preto.

7 minutos. Inter 0 x 1 Grêmio. E o melhor: no chiqueiro.

Não demorou muito e o Amoroso sentiu uma fisgada na virilha. Entrou o Everton pra garantir a correria no contra-ataque. Porque era certo que eles viriam pra cima.

E eles até tentaram alguma coisa mas, coitados, quando passavam pelo nosso meio-campo, que não aliviava, esbarravam na nossa defesa, muito segura. Patrício quase não apoiou, William esteve muito seguro e Schiavi, quem diria, se consagrou ontem. Acabou com o Adriano, com o Iraley, com o Christian e com quem mais tentou qualquer coisa.

O Iarley, por sinal, ainda tá tentando entender como é que o gringo chegou naquela bola do primeiro tempo, quando ele tinha tudo pra guardar.

Com o time do aterro amarradinho, o primeiro tempo passou sem sustos pra nós. E sempre com uma possibilidade de disparar no contra-ataque.

Para o segundo tempo, o técnico pinto (ainda falta muito pra virar Gallo) foi ousado, tirou um zagueiro deles e reforçou a nossa defesa com a entrada do Christian no ataque deles. Com uma mexida, bagunçou ainda mais o time dele, o imbecil.

E eles vieram pra cima, só com vontade, porque faltava talento e organização.

Iarley teve outra chance na cara do gol(parecia impedido), mas o Gavilán se jogou na bola e tirou pra escanteio.

Não demorou muito pra gente começar a dominar ainda mais o jogo. Num dos tantos passes errados dos desgraçados, saímos num contra-ataque em velocidade. Everton teve toda a calma do mundo, esperou enquanto nossos homens de frente foram puxando a marcação e esperou até o Diego entrar sozinho pela direita. Daí foi só rolar a bola. O Homem-Bomba ajeitou e bateu seco. O ancião de preto nem se mexeu.

Inter 0 x 2 Grêmio. Acho que a nossa torcida deve ter gritado: "ela, ela, ela, silêncio na favela!". Se não gritou, devia.

Pinto tentou outras coisas, mas tava mais para o Grêmio fazer o terceiro do que para o cocolorado descontar. E quase fizemos o terceiro, no finalzinho, quando o Diego devolveu o passe açucarado para o Everton, mas o garoto pegou muito mal na bola.

Tudo bem, não deu a manchete que o Beto queria: Grêmio goleia no Beira-Rio. Mas foi por detalhe.

Aos ignorantes que repetiram inúmeras vezes entre quarta e domingo que o Imortal tinha morrido, fica o recado: quem é imortal não morre nunca.

3 comentários:

Adriano Snel disse...

E ainda com direito a penetrada do Sandrão "Homem-de-pedra, terror, matador, monstro" Goiano na Alexia, ou melhor no Alex.

tiagor disse...

Este blog não precisa acabar NUNCA! Porque aqui no Sul, o Grêmio é legítimamente o único libertador. É o imortal libertador.
Precisamos deste blog sempre em dia!

tiagor disse...

desenhando o comentário do snel: http://br.youtube.com/watch?v=mkHc-TtWOLM