terça-feira, 6 de abril de 2010

Ou Mata, ou Morre

Tá lá, o que a nação Imortal Tricolor queria: MATA-MATA!

Sim, amigos tricolores. Até o início do Sarneyzão 2010, só teremos um tipo de disputa. Seja pelo Yedão, seja pela Copa do Brasil. O chasque é curto e grosso: Ou mata, ou morre. Não tem essa de futebol faceiro, malemolente, menininhas da Vila Belmiro fazendo dancinha. Não é no ritmo de samba que se ganha o mata-mata. Tem que chegar chegando, pegando, porque o zebu é matreiro e caborteiro.

Já falei isso aqui, mas adoro repetir que temos que invadir, destruir, tomar posse das mulheres do vilarejo, atear fogo no que restar das casas, sair fumando charutos, bebendo cachaça e cantando as milongas da vitória.

Nossa primeira batalha é contra um adversário digno do campeonato Gaúcho, o primeiro Campeão Gaúcho, pode-se dizer. Um time chato que mostrou resistência na primeira partida do Tricolor no certame. Temos que passar por eles para chegarmos às finais. Isso porque a taça que leva o nome de Fábio "A Múmia" Koff eu faço questão de ter.

Depois virá o Avaí. Antiga fazenda em que Silas encilhou, domou, quebrou o queixo e ensinou aquela tropa de potros a enfrentar o pasto brasiliense. Só que agora Silas está deste lado do Mampituba, e pelos pagos daqui os potros são puro sangue. Sangue caudilho!

Um detalhe que precisa ser lembrado é o saldo de gols. O Grêmio tem feito 2 gols no primeiro tempo, ou logo que inicia o segundo, e tem se acomodado. Isso não pode mais acontecer, principalmente na Copa do Brasil. Por se tratar de uma competição que sorteia o mando de campo a cada nova fase, Silas precisa colocar na cabeça de sua tropa que isso não pode acontecer. Caso isso aconteça, precisamos aprender a jogar com o regulamento debaixo do braço, seguindo os ensinamentos de Mestre Felipão.

Tá certo que nossas conquistas nunca foram com conforto e placares elásticos, mas o professor tem de manter a açoiteira em punho para manter o ritmo da equipe.

2 comentários:

Adriano Snel disse...

Baita texto. Baitas verdades.

Digo mais, não basta nada sem gana. Há de se entrar ESPUMANDO em campo, comendo grama e passando o trator por cima.

Vamos, Grêmio!

É aí que eu me refiro. disse...

Quero o Grêmio, além de jogando o bom futebol que começa a apresentar, com sangue nos olhos. Sangue azul. No mar azul atormentado. Aquele mesmo que um dia ouvi o Marcos, goleiro do Palmeiras dizer: 'cara, empatar aqui é vitória. Quero ver quantos times aguentam essa pressão que aguentamos hoje'. Adversário aqui não pia. Não fala. Não respira. É sufoco o tempo todo. Do campo, da arquibancada, dos ares dos pampas. Porque La Copa está a caminho. No mata mata eu sou mais o tricolor.

Abraços.