domingo, 17 de abril de 2011

Ta na hora do grito

To escrevendo por um motivo muito simples. Não preciso nem dizer o quanto o Grêmio ta jogando mal.
Fico chateado e espero por melhoras, ponto final. Sou torcedor.

Mas tem uma coisa que ta me irritando muito. Muito mesmo. Hoje ouvi o jogo por uma das rádios de Porto Alegre (a que sempre ouvi), e me senti revoltado. Essa rádio, está fazendo uma campanha fortíssima contra o Renato e o Grêmio. Porque? Simples, eles acabaram de colocar um colega deles pra treinar o nosso tradicional adversário. Profissionais desonestos, imparciais que usam a máquina de uma empresa que manda e desmanda no RS. Precisam que esse técnico fake tenha sucesso a qualquer custo, porque bateram sem dó nem piedade no Celso Roth, coitado, não era simpático com eles. Roth que é infinitamente mais técnico do que ele.

Bom, não sei o que fazer exatamente, mas acho que a diretoria deveria fazer algo a respeito. Quem sabe algum boicote.
Talvez nós podemos fazer algo. Sei o quanto é difícil por que essa gentalha ta na rádio, ta na TV, ta nos portais mais acessados.
O que posso fazer é parar de ouvir, parar de seguir. Eu vou fazer a minha parte.
Lamento não poder falar os nomes, por motivo maior, mas acho que todo mundo aqui sabe de quem estou falando.

Que a gente consiga agora, aos 42 min do segundo tempo, talvez alguma liga, algum sentimento de superação. Um choque de gremismo. Um acerto nos mecanismos e peças mais importantes do Renato. Assim talvez podemos ter alguma chance.

E vamos, precisar gritar e torcer bastante. Porque esse time sem torcida não ganha de ninguém.

5 comentários:

Carol D'Arc disse...

Tudo bem que tá insuportável aturar essa imprensa imparcial. Mas o time anda colaborando muito pra essa chuva de cornetagem, não?

E outra coisa que precisa ser revista: pedir apoio à torcida. Apoio é a única coisa que não faltou durante esses 10 anos de jejum de títulos expressivos.

Tá na hora do time dar um apoio à torcida também. Essa via deve ser de mão dupla.

Fagner disse...

Todo apoio, Weide. Acho que é bem por aí.

E, desculpa aí, Carol, mas esse "apoio" não aconteceu. A corneta sempre impera. Quer exemplos? 2008, líderes do Brasileirão e vaiando o Celso Roth. 2009, primeiro do grupo, melhor aproveitamento entre todos, e vaias ao Celso Roth. A torcida fechou com o time em 2005, na Série B. Fazia protestos no portão oito em 2003 e 2004, mesmo com uma Copa do Brasil em 2001 e um terceiro lugar no BR 2003. Em 2006, pobre do Hugo, do Pedro Júnior, do Alessandro. 2007 até que foi um ano bom, com um vice da Libertadores. Assim, são dois anos de apoio em 10. Oito de corneta.

Dizer que a torcida é só a Geral, é bobagem. Chega de corneta e vamos voltar a descarregar a raiva na imprensa. Se acha que o time tá jogando mal, manda a imprensa tomar no cu. Vamos usar a tática dela.

Saludos,
Fagner

Daniel Souza disse...

Prefiro o tempo do Felipão e Espinoza, onde a torcida cobrava nos estádios e o clube ganhava títulos, essa coisa de alento incondicional é coisa de alienado e tá mais que provado que não ganha títulos.

Marcelo disse...

ja dizia a canção..... "...Passam os anos, passam os jogadores
Geral está presente, não para de apoiar..."

Arthur disse...

Tá bom Daniel, então sendo corneteiro ganha título?
Viu, devemos todos ser que nem a social!