sábado, 25 de junho de 2011

Para não deixar passar batido

O ano era 2007. Logo após uma final de Libertadores com dois clubes brasileiros, outro clube conquista a condição de finalista competição, mesmo sendo derrotado pelo Santos na Vila Belmiro, no dia 06/06. Três dias depois de um resultado suado e muito comemorado, levamos 4x0 do Vasco, com um time misto. No dia 13/06, o primeiro jogo da final: depois de uma atuação firme no primeiro tempo, um monte de bobagens (né Patrício e Sandro Goiano?) acabam levando o Grêmio à uma acachapante derrota de 3x0.

Porém, aquele time já tinha conseguido virar outras situações adversas e, se jogasse para cima, com o estádio cheio, podia ser campeão. Tanto que não demos a menor bola de perder para o Cruzeiro, no dia 16, pensando no próximo embate. Mas, com uma escalação medrosa do mestre da retranca, Mano Menezes, conseguimos perder denovo, de 2x0, em casa, no fatídico 20/06. Viramos motivo de piada de alguns que estavam completamente apavorados com a perspectiva de nos ver simplesmente acabar com a maior conquista deles em um ano. Para não deixar nossos rivais na mão, depois de perder para o Boca, ganhamos dos Bocabertas quatro dias depois em um clássico lá naquele que já não se sabe se poderá ser remendado à tempo para a copa. Como sempre, lambemos nossas feridas.

Agora o ano é 2011. Outro time Brasileiro volta à final da LA depois de enfrentar o Cerro Porteño no dia 01/06. Ainda comemorando um empate com as calças na mão, o Santos bate no morto Avaí por 3x1, pois, ao contrário dos outros anos, a Conmebol decidiu dar uma semana de folga para os beligerantes da contenda final. No dia 11/06, eles empatam com o Cruzeiro e se preparam para o primeiro jogo da final. Empataram com o Peñarol num jogo onde podiam ter perdido quatro dias depois. Daí folgaram, se concentraram, treinaram a semana toda (a CBF transferiu o jogo deles para o dia 10/07, com transmissão ao vivo) e entraram em campo para jogar o segundo jogo da final, no dia 22/06, sagrando-se campeões depois de quase quarenta anos. Depois de festas, comerciais e entrevistas na TV, como ninguém é de ferro, eles tiveram a partida de hoje transferida para o dia 02/07, próximo sábado.

Ou seja: em 2007, tivemos que jogar 6 jogos em três semanas.
Em 2011, os campeões "contra tudo e contra todos" fizeram quatro partidas em 28 dias.

É, como dizem por aí, o Gremista se acha sempre injustiçado...

2 comentários:

André Kruse disse...

Muito bem lembrado Fagner.

Eu acrescentaria um detalhe. Em 2007 o Gremio enfrentou o Cruzeiro entre as partidas de ida e volta da final da Libertadores. Os mineiros ganharam o jogo. No final do campeonato brasileiro, o Cruzeiro ficou em 5º (Com a ultima vaga para Libertadores de 2008) somente 2 pontos na frente do Grêmio.

Arthur disse...

Isso que dá em não ser do eixo RJ-SP.