quarta-feira, 23 de abril de 2008

Que está acontecendo?!?

Qual foi o último título de expressão que conseguimos? Alguns dizem Copa do Brasil de 2001, outros o Brasileiro de 1996. Eu digo Libertadores de 1995. 2008-1995 são 13 anos. Há 13 anos não ganhamos um título de real expressão futebolística mundial. Tá, as Copas foram ótimas, o brasileiro também. Mas esse último faz "só" 12 anos que ganhamos.

Nesses últimos anos, amadores comandaram o clube, primeiro, Cacalo, ótima pessoa, mas que começou o processo de afundamento tricolor, depois vieram Guerreiro (sem comentários), o inominável e agora o politiqueiro Odone. Um clube, que antes monopolizava as conquistas esportivas nacionais e regionais, hoje se contenta com Roths, Amarais, Ivotis, Nunes e Hidalgos. Esse clube, agora, não luta pra manter um jogador identificado com as cores da agremiação e com a torcida e que QUER ficar. Esse clube faz pouco caso com o seu maior patrimônio, o torcedor. Esse clube virou palanque eleitoral, covil de gente com rabo preso e de más intenções.

Enquanto os devaneios, as má-gestões, idéias megalômanas, parcerias furadas, dinheiro desviado aconteciam aqui, no outro lado as coisas caminhavam pra profissionalização. O que se vê hoje? Se vê que o bonde está passando e se não corrermos não pegamos. Eles já pegaram, o São Paulo já pegou, Boca Juniors, Nacional... Não quer dizer simplesmente títulos, mas estar nas cabeças, aparecer, faturar. O que precisamos é de profissionalismo, não amadorismo. O que precisamos é de gestão de marca, gestão profissional do departamento de futebol. Não mais de politicagem. Chega. Eu quero o Grêmio grande. Não me importo de esperar mais um pouco, mas desde que se note que a coisa está sendo bem conduzida, mas no momento e ainda, não está.

Espero que alguém, GREMISTA de verdade, se sensebilize, entre em ação, e revolucione o grêmio. Precisamos disso.

9 comentários:

Vini.cius disse...

Olha, finalmente alguém escreveu a verdade. De anos para cá, o Grêmio só tem ganhado Top of Mind. Sabe, há muito tempo não vejo o Grêmio ganhar um título de expressão nacional. Só Gauchão. Acho que precisamos de gente comprometida com o time e não com política. Há tempos o Grêmio não tem um time "matador", que todos temem. Está na hora de algo acontecer.

Marlon Abrahão disse...

Cara, manda esse texto pro Grêmio. Manda pra Zero. Manda pra Defesa Civil. Alguém tem que interceder por nós.

Abraço.

Snel disse...

Ele já foi devidamente encaminhado. Ontem mesmo.

Rafael Cruz disse...

escrevi um post sobre comunicação diretoria - torcida no meu blog, quem puder dá uma conferida.

http://almaazulceleste.blogspot.com/

Saudações Tricolores!!

San Tell d'Euskadi disse...

Barbaridade. Desculpe-me o termo, mas é uma das maiores bobagens que já li.

Um abraço.

Snel disse...

Ah é? E qual é o problema do Grêmio? Qual teu diagnóstico? Ta tudo bem pro teu gosto? Tu gosta do Roth? E do Nunes? E do Amaral? Bobagem é teu comentário, na minha opinião.

San Tell d'Euskadi disse...

Snel,

Vou explicar.

Primeiro, teu destemperamento é típico do torcedor apaixonado, o que, na hora de criticar dirigentes perde todo o sentido e credibilidade.

Segundo, o teu julgamento está totalmente pautado pelo que ocorre no INTERNACIONAL. E essa comparação é tão absurda quanto injusta. Um exemplo, mesmo, é a nossa temporada de 2006; que foi excelente. Ela passou batido porque eles foram vice-campeões nacionais, campeões da América e campeões do mundo. A direção do Grêmio não é respoonsável pelos resultados DE LÁ.

Terceiro, não se pode medir sucesso e fracasso de direções por títulos CONTINENTAIS. Isso é ridículo. O que mede um sucesso de uma direção é: (1) a montagem de equipes competitivas; E - ênfase nesse "E" - (2) a manutenção do equilíbrio financeiro do clube. Se os títulos virão ou não, está acima da capacidade da direção, depende - também e principalmente - dos adversários. É mera circunstância do trabalho. Não te esqueças que às vezes, até para ser campeão GAÚCHO tem que se derrotar o melhor do mundo.

Tu conseguiste diagnosticar bem o problema do amadorismo, falta de visão, falta de competência, pavonices e mau-caratismo dos (ou de alguns) dirigentes, mas não conseguiste sustentar tua posição com argumentos. Nem em sonho, é possível algum dirigente te contentar nesses termos.

Estás vendo agora porque escreveste bobagem?! Porque escreveste com o coração, não com a cabeça. E o nosso maior problema sempre foi dirigentes que cometeram exatamente esse erro. Tu acabaste sendo igual ao que tu criticas. Não foi por falta de GREMISMO que chegamos ao fundo do poço em 2004...

Um abraço.

Minwer disse...

Concordo com o San Tell em número, gênero e grau.

Snel disse...

É, concordo contigo. Mas, convenhamos, por mais que o Odone e Cia. tenham feito a coisa certa em 2005-2007/1, agora a coisa degringolou. Os saúdo pela iniciativa, coragem nos anos vindouros, mas hoje, não dá mais, estão saturados.

O planejamento anterior simplesmente foi posto no lixo no momento que o Mancini foi demitido. Não que eu seja um defensor dele, até seria leviano, já que ele treinou tão poucas vezes o time. Já o Roth tem uma história consolidada como medíocre. Nunca ganhou nada de relevante e aposto, nunca vai ganhar. Enão, se erraram ao trazer o Mancini, erraram muito mais no Roth.

O meu pensamento esta pautado no vizinho, sim, mas não só nele. é que o exemplo ao lado me pareceu adequado de gestão, no caso, Fernando Carvalho. Não em matéria de time. Tanto que comento também do Boca, São Paulo, etc...

Com relação ao Continental, veja que falo que não desprezo os outros títulos, pelo contrário, gostaria muito de estar disputando essa Copa do Brasil ainda, mas invencionice do Pardal Roth com um time ruim nas mãos nos deixou de férias por um mês.