quarta-feira, 18 de maio de 2011

O problema é com a cor vermelha

Começo esse texto com um lugar comum, mas absolutamente verdadeiro: não suporto racismo. A ideia de que determinados seres humanos se considerem superiores a outros é abominável, ainda mais quando o que se leva em conta é a raça/cor.

Outra coisa que me causa repulsa é o oportunismo. Ainda que seja muito menos nocivo, ele se baseia na ação de pessoas de espírito pequeno, que se utilizam de interpretações duvidosas, generalizações e até de inverdades para obter vantagem sobre outros.

A essa altura do campeonato, é claro que vocês já sabem que estou falando da acusação do jogador Zé Roberto, encampada por um dirigente do Internacional em ofício junto à Federação Gaúcha de Futebol.

A história é velha: não é a primeira vez que os cânticos da torcida do Grêmio são associados à prática de racismo (mesmo que, a cada quarta e domingo, inúmeros jogadores negros pisem o gramado do Olímpico sem receberem insultos racistas).

O curioso é que, quando jogava pelo Botafogo, Zé Roberto veio ao Olímpico em 2006, esteve frente a frente com a torcida do Grêmio e não relatou ter recebido qualquer ofensa racista. Como eu não acredito que a pele de Zé Roberto tenha passado pelo processo inverso ao que atingiu o rei do pop Michael Jackson, cabe perguntar: o que mudou desde então?

Só a cor da camisa que ele vestia.

Vamos raciocinar um pouco. O mesmo jogador, em dois jogos diferentes. Em um, vestindo a camisa do Botafogo, não ouve a palavra “macaco”. Em outro, com a camisa do Internacional, surge a palavra “macaco”. Jogadores de pele negra, das mais diversas equipes adversárias, não recebem tratamento diferenciado no Olímpico. Jogadores brancos, vestindo a camisa do Inter, são chamados de “macacos”. Que espécie de racismo explica isso?

Nem seria necessário, mas vou lembrar que jogadores negros são perfeitamente aceitos no Grêmio, e muitos se tornam ídolos adorados pela torcida. Zé Roberto e seu dirigente paladino nem precisam ir longe: podem perguntar para Paulo César Tinga se, em seus anos e anos de Grêmio, foi alguma vez discriminado por sua cor.

E uma vez que a defesa da igualdade passou a ser bandeira dos colorados, aproveito a coincidência de a denúncia ter surgido no dia 17 de maio, Dia Internacional de Combate à Homofobia, e pretendo ampliar o debate.

O Grêmio, em sua história recente, teve no elenco uma dupla de zaga que, dizem, se entendia melhor fora do campo do que dentro. A história da famigerada “poltrona 36” é de conhecimento público e, só por isso, não será detalhada neste momento.

Acontece que, para a torcida e para a diretoria do Internacional, tal fato merece grande importância, como uma forma de colocar seu clube constantemente em um nível superior ao Grêmio. A citação recorrente da antiga torcida organizada gremista Coligay é motivo de chacota junto à comunidade colorada, como se torcedores homossexuais não tivessem direito a apoiar seu time do coração. Afinal, o respeito às diferenças faz ou não faz parte dos valores tão fortemente defendidos pelo Inter?

Domingo de Dia das Mães. No intervalo do Grenal vencido pelo Grêmio no Beira-Rio, a torcida colorada saúda em peso o técnico gremista Renato Portaluppi aos gritos de “viado”. Embora a fama de Renato entre o público feminino seja notória (acredito, inclusive, que muitas familiares daqueles que urravam pudessem testemunhar, com detalhes, em favor do gremista), o que chama a atenção no episódio é novamente a intolerância daqueles que se posicionam como vítimas de preconceito.

E não para por aí: a segregação por uma suposta opção/orientação sexual parece ser prática oficial no Beira-Rio. A apresentação de um novo ônibus do Inter ganhou destaque porque, segundo seus diretores fizeram questão de aladear em meio a gargalhadas, “aqui não temos a poltrona 36, a numeração pula do 35 para o 37”. Devo entender que jogadores que não sejam héteros não são aceitos no clube?

Acho que me fiz claro. E o melhor: sem precisar atribuir aos colorados, em sua totalidade, a pecha de “simpatizantes do nazismo” ou coisas do gênero, até porque não sou inconsequente.

Com a palavra, os verdadeiros disseminadores do ódio.


ADENDO: por mim, os cânticos com a palavra "macaco" nem seriam ouvidos no Olímpico, pois acredito que falar do Inter é dar uma importância que este clube não merece. Mas não sou eu quem decide isso. Se resolverem banir tais músicas, eu (que nem as canto) ficarei feliz. Só não quero servir de bode expiatório para gente desqualificada.

40 comentários:

Juliano disse...

Bah! Falou (quase) tudo o que pensei, só faltou o esclarecimento sobre a diferença entre SkinHead e NeoNazi. Inclusive já vi uma bandeira S.H.A.R.P. pelo Olímpico. S.H.A.R.P. = Skin Head Against Racial Prejudice. Skinhead, nada tem a ver com neo-nazismo!
Estudem antes de sair apontando e criando coisas, certo? Imprensa esportiva de m****.

JC Baldi disse...

Muito bem colocado.

luís felipe disse...

folgo em saber que a preocupação com questões homofóbicas é grande. Por isso pergunto: porque vocês, ilustres gremistas, muitos conselheiros, não resolvem lembrar a parte bonita contra o preconceito de sua história e fazer uma bela homenagem à Coligay?

Aposto que a maior parte dos gremistas jovens não sabe nada sobre essa bonita passagem de combate ao preconceito do Grêmio. Isso ajudaria, muito, no combate à homofobia. Eu vejo muito discurso clubístico da boca pra fora e pouca prática.

luís felipe disse...

folgo em saber que a preocupação com questões homofóbicas é grande. Por isso pergunto: porque vocês, ilustres gremistas, muitos conselheiros, não resolvem lembrar a parte bonita contra o preconceito de sua história e fazer uma bela homenagem à Coligay?

Aposto que a maior parte dos gremistas jovens não sabe nada sobre essa bonita passagem de combate ao preconceito do Grêmio. Isso ajudaria, muito, no combate à homofobia. Eu vejo muito discurso clubístico da boca pra fora e pouca prática.

Snel disse...

Perfeito texto, Renato. Sem mais nem menos, com classe e a calma que o OBJETO merece.

martina disse...

Eu companhei pouco a discussão.
Mas vi o um jornalista, via twitter, acusar os gremistas de racistas, e pior, responsabilizar os seus pais de terem ensinado o preconceito às novas gerações.

Acusação grave, leviana, generalizadora e totalmente sem provas. Talvez seja hora de parar de se defender e processar por difamação ou injúria.

André Kruse disse...

O texto é perfeito. Vale acrescentar que Zé Roberto jogou no Olímpico com a camisa do Vitória em 2003 também.

Eu sei que o Grêmio Libertador é um blog democrático, eu não deveria dar dica sobre os comentários, mas acho que não deveria ser aceito comentário de colorado que é useiro e vezeiro em demonizar o Grêmio. Tendo inclusive caluniado grandes ídolos gremistas e tendo feito referências jocosas a origem de uns dos autores deste blog.

TiagoR disse...

O Luis Felipe tá certo. Mas quem quiser aprender mais sobre este momento histórico, tem bastante material no google, no livro do Peninha e (se não me engano) no próprio memorial tricolor.

No mais, perfeito o texto do Renato.

TiagoR disse...

De que comentário tu tá falando, André?

luís felipe disse...

O filho de satanás referido acima sou eu. Eu poderia responder às acusações infundadas, mas acho que os demais leitores não merecem.

Guilherme Hexsel disse...

Caros gremistas, sei o peso de perder campeonatos e também e muito bem o de ganhar. Sei que o futebol vem mudando a cada ano, tanto a forma de jogar, quanto ao seu total contexto e também sei que a sociedade como tal vem modificando seus modos de pensar e agir, principalmente em questões ligadas ao racismo, homofobia e outros tantos pré-conceitos exercidos. Também, como um cidadão tenho de deixar a minha opinião sobre o assunto em questão. Para mim o futebol se ganha dentro de campo, e os canticos fazem parte do espetáculo. Concordo em número, gênero e grau com vocês. Quem não guenta isso, naum pode jogar na dupla!

Renato disse...

Luis Felipe: a homenagem à Coligay poderia ser feita, mas tenho certeza que tua intenção em sugerir isso é apenas a galhofa. Talvez a cultura de pessoas como tu não permita ainda que se faça essa homemagem, infelizmente.
E se tu vê "muito discurso clubístico da boca pra fora e pouca prática", é porque talvez esteja acostumado com pessoas como Roberto Siegmann, que em vez de pedir identificação dos torcedores que possam ter ofendido o Zé Roberto, está só preocupado com uma coisa: punir o Grêmio. Esse é o objetivo dele.

P C disse...

Perfeito!!!!!
Indaguei um "jornalista" sobre esse mesmo tema pelo twitter. Nesse caso nunca vi eles levantarem o tema.
E com relação aos canticos acabei de citar eles em um comentario no blog tricolor da rbs (minusculo mesmo)
Parabens!!! PERFEITO.

RRoitman disse...

Meu Deus! Mais um texto patetico. Parem de procurar assuntos que desviem os fracassos de vcs. Parem de falar em imortalidade. Facam um time e voltem a ser o Gremio vencedor. A grandeza do Gremio fez e faz a grandeza do Inter e vice versa.

Toniolo disse...

Só acho que, da mesma forma como não podemos generalizar o fato para toda a torcida gremista, não podemos ignorar que podem ter ocorrido exageros contra o Zé Roberto. Obviamente, terão que provar, mas presenciei cenas patéticas em jogos do grêmio e em jogos da Seleção brasileira (no Olímpico e no Beira Rio). Acho que a discussão ficar reduzida ao clubismo é disperdiçar a oportunidade de punir quem merece ser punido.

abç

Fagner disse...

Concordo com o texto do Renato, mas, continuo dizendo, um erro não justifica o outro. O termo é sim ofensivo a qualquer pessoa principalmente em função da situação que temos no Brasil (ainda mais no Rio Grande do Sul, que até os anos 80 nem admitia que o escravismo era prática muito usada aqui), e não pode ser esvaziado assim do sentido que assumiu ao longo da história. Homofobia é ainda pior - o pessoal da Coligay apanhava dos gremistas no Olímpico. Assim, eu não tenho desculpa em ser racista só porque a torcida do outro é homofóbica. Isso é ridículo. Ambos os comportamentos são socialmente nojentos e, uma hora ou outra, serão severamente punidos.

A parte mais importante do texto, ao que parece, foi a menos "lida": não precisamos fazer referência a outro time que não o Grêmio quando torcemos para o Grêmio. Sejam racistas, fiquem se escondendo atrás do argumento que quiserem, mas não prejudiquem o Grêmio. Isso vai ser pior do que jogar uma pilha em bandeirinha muito em breve.

Saludos,
Fagner

Aliss0n disse...

Lê aí cecconi ;)

Vanessa Duranti disse...

E disso de homofobia por parte deles ninguém(imprensa) fala, eles cantam no estádio que vão matar um puto tricolor e alguém ve alguém da imprensa repudiar.
Quer dizer eles abobinam tanto o racismo, mas racismo não é o único preconceito q tem no mundo e a homofobia? e ter uma música dizendo q vai matar.
Acho q essa história de dizer q a torcida do GRÊMIO é racista já passou dos limites e tá na hora da direção do GRÊMIO tbm se manifestar a respeito se fizeram gesto de macaco p ele durante o jogo não seria pq ele joga no maior rival do GRÊMIO e um macaco é mascote do time dele?!!!!!
No twitter GREMISTAS tem q ficar horas explicando p comentaristas,jornalistas o pq dos macacos, mas eles parecem ñ querer entender.Eu mesma perguntei p vários a respeito de homofobia e deles terem uma música dizendo q vão matar.A resposta? Não sei to esperando criticarem eles por isso assim como criticam a TORCIDA GREMISTA em relação aos macacos.
Racismo é caso sério, não podemos deixar que o GRÊMIO e sua TORCIDA sejam taxados de uma coisa tão nojenta quanto é o racismo e não fazer nada.
CHEGA sou GREMISTA,NAÃO SOU RACISTA ,TENHO ORGULHO LUPICINIO RODRIGUES,EVERALDO,TESOURINHA,TARCISO, entre outro terem feito a história do meu time não vai ser um jogadorzinho e dirigente de 5ª q vão manchar o GRÊMIO e sua história!!!!!!!

Mundo Gadget disse...

Concordo que um erro não justifica o outro.

E sempre apoiei a ideia de não falar do inter em músicas da torcida. Odeio o fato de uma das musicas mais cantadas ter como "refrão" a expressão "Inter cagão".

Acho que o Grêmio deveria criar uma torcida vinda daqui, de quem pensa, de quem cria, de quem ouve os gremistas, de quem quer fazer algo pelo Grêmio.

rbs-gremista disse...

Senhores, sou colorado e estava falando com um amigo gremista que me indicou o site de voces. Eu li o texto com cuidado e eu gostaria de externar meu ponto de vista, começando assim: na minha opinião foi um ato de racismo sim, que se esconde atras de uma rivalidade para sustentar sua atitude. Se não fosse assim, porque aqueles torcedores nunca fizeram o mesmo com o Rafael Sobis, ou o Indio ou o próprio Falcao a quem a torcida do gremio cantou uma musica que tem tom homofobico?
Ok, tendo posto isso eu gostaria de me distanciar da questão futebolistica. Sou negro, e acho que a questão racista que está sendo posta aqui e em, também, blogs colorados está muito mais para uma disputa de partida de futebol do que para a discussão de fato do mérito da questão. Meu ponto é que, não quero de forma nenhuma que o Grêmio seja punido seja com perda de mando de campo ou algo parecido, porque dessa forma quem ganha são os colorados dispostos a ver o gremio ter um revez e quem perde são os gremistas que se sentirão, de alguma forma, derrotados pelos colorados nessa questão. Esse é o ponto, isso não é uma partida de futebol, isso é um problema sócio-educacional.
O brasileiro em si tem um problema grave que leva pra todas as questões: ou é tudo certo, ou é tudo errado
Ou TODOS os petistas prestam, ou TODOS os petistas não prestam
Ou TODA a igreja catolica presta, ou TODA a igreja catolica nao presta.
Ou TODOS os gremistas são racistas, ou NENHUM gremista é racista.

Teve sim, na minha opinião, uma parcela racista ali, mas muito longe de ser uma totalidade ou se quer perto da metade, mas uma parcela que sim pode ser ouvida.

O racismo está só na torcida do gremio? Óbvio que não, tá na torcida do Inter, tá na do Flamengo, na Africa e no meio dos negros tambem. Tem negro que se sente branco e tem nojo de negro. Pois é...

E, pessoalmente, são essas pessoas que eu quero que sejam punidas. Eu mesmo já entreguei a policia torcedores colorados baderneiros. Marginal? Vai conversar com a policia.

Eu tenho levado esse meu ponto em todas as conversas, critiquei sim colorado que estão sim se aproveitando do fato para causar algum prejuizo ao gremio sem ao menos refletir um pouco sobre o mérito da questão. Isso é ser aproveitador, porque se não fosse num grenal, nao teria esse assunto tido 1/10 da repercussao que teve.

Eu queria que aqueles que estao nessa discussao por pura paixão futebolistica nem se manifestassem, porque esses não tem nada a contribuir com um problema que afeta e deteriora a relação que as pessoas tem no dia a dia.

Abracos

Amarante disse...

É muito esforço pra justificar o injustificável. Se o problema é a cor vermelha porque só se ouve imitação de macaco quando é um jogador negro, como aconteceu com o zé roberto. Vou a todos os jogos e nunca vi a imitação de macaco ser destinada a um jogador colorado branco. Nunca vi Sóbis, Fernandão ou dalessandro serem alvo desse tipo de manifestação, embora sejam simbolos vermelhos. O Oscar entrou no grenal de domingo e não se ouviu tais imitações. Estranho não?? A questão é só a cor vermelha?
Se isso não mudar, ainda iremos receber severas punições.

rbs-gremista disse...

Senhores, sou colorado e estava falando com um amigo gremista que me indicou o site de voces. Eu li o texto com cuidado e eu gostaria de externar meu ponto de vista, começando assim: na minha opinião foi um ato de racismo sim, que se esconde atras de uma rivalidade para sustentar sua atitude. Se não fosse assim, porque aqueles torcedores nunca fizeram o mesmo com o Rafael Sobis, ou o Indio ou o próprio Falcao a quem a torcida do gremio cantou uma musica que tem tom homofobico?
Ok, tendo posto isso eu gostaria de me distanciar da questão futebolistica. Sou negro, e acho que a questão racista que está sendo posta aqui e em, também, blogs colorados está muito mais para uma disputa de partida de futebol do que para a discussão de fato do mérito da questão. Meu ponto é que, não quero de forma nenhuma que o Grêmio seja punido seja com perda de mando de campo ou algo parecido, porque dessa forma quem ganha são os colorados dispostos a ver o gremio ter um revez e quem perde são os gremistas que se sentirão, de alguma forma, derrotados pelos colorados nessa questão. Esse é o ponto, isso não é uma partida de futebol, isso é um problema sócio-educacional.
O brasileiro em si tem um problema grave que leva pra todas as questões: ou é tudo certo, ou é tudo errado
Ou TODOS os petistas prestam, ou TODOS os petistas não prestam
Ou TODA a igreja catolica presta, ou TODA a igreja catolica nao presta.
Ou TODOS os gremistas são racistas, ou NENHUM gremista é racista.

Teve sim, na minha opinião, uma parcela racista ali, mas muito longe de ser uma totalidade ou se quer perto da metade, mas uma parcela que sim pode ser ouvida.

O racismo está só na torcida do gremio? Óbvio que não, tá na torcida do Inter, tá na do Flamengo, na Africa e no meio dos negros tambem. Tem negro que se sente branco e tem nojo de negro. Pois é...

E, pessoalmente, são essas pessoas que eu quero que sejam punidas. Eu mesmo já entreguei a policia torcedores colorados baderneiros. Marginal? Vai conversar com a policia.

Eu tenho levado esse meu ponto em todas as conversas, critiquei sim colorado que estão sim se aproveitando do fato para causar algum prejuizo ao gremio sem ao menos refletir um pouco sobre o mérito da questão. Isso é ser aproveitador, porque se não fosse num grenal, nao teria esse assunto tido 1/10 da repercussao que teve.

Eu queria que aqueles que estao nessa discussao por pura paixão futebolistica nem se manifestassem, porque esses não tem nada a contribuir com um problema que afeta e deteriora a relação que as pessoas tem no dia a dia.

Abracos

Fabiane disse...

É, Renato.
Tem muitas verdades no texto, mas toda essa história acaba sendo um joguinho de apontar o defeito do outro para amenizar os seus (o que também não é bonito).

Achei perfeita tua colocação sobre o racismo e oportunismo, mas é importante lembrar o oportunismo aparece pelas bandas da Azenha também. E CERTAMENTE, torcedores racistas se destacavam entre os que usaram o termo (e imitaram) macacos naquela ocasião. São oportunistas que se aproveitam da brecha que o Grêmio deixou.

Entendo o senso de defesa causado pela generalização "gremista é racista", só não acho certo mascarar o racismo com o gremismo. Da mesma forma a generalização inversa não é verdade (de que nenhum gremista é racista) e não vejo necessidade de proteger esses caras, nem de dar espaço para eles fazerem o que querem apoiados num simbolismo desnecessário.

Abraço

Renato disse...

Por favor Fabiane, não pense que estou defendendo o racismo. Se tivermos provas de que um ato racista foi cometido durante o jogo, serei totalmente a favor de que os responsáveis sejam punidos. Mas o "denunciante" não parece muito preocupado com isso. É como o "rbs-gremista" disse: uma questão socioeducacional foi abordada de forma totalmente equivocada, como uma disputa clubística.
E por fim, reitero: a última coisa que eu quero é que o texto que publiquei sirva de escudo para atitudes racistas. Essas devem ser severamente punidas. Mas sem levar em conta o fanatismo clubístico. Porque quase tão ruim do que ser atacado pela cor da sua pele é ser tachado de racista e nazista por alguém que não me conhece, não sabe das minhas origens e das minhas crenças.

Moderador disse...

Cara, eu dificilmente li tanta besteira e tanta coisa diferente enfiada dentro do mesmo saco. nem vou me dar ao trabalho de escrever tudo que no teu texto está sem pé nem cabeça. faz assim, este é o meu email pessoal: lebatistamello@gmail.com. Estou absolutamente à disposição para te explicar tudo direitinho, para que tu sejas capaz de entender melhor sobre o que discursa. Me escreve que a gente marca. acho isso importante, alguns hábitos ridículos precisamos deixar para trás para enfim crescermos como sociedade. eu me disponho a esclarecer isso pra ti. onde for. mas por favor, pensa bastante antes de defender que 30 mil vozes chamem um atleta negro de macaco, por favor. abraços, leandro.

Renato disse...

Fala, Leandro Moderador!
Tem um email meu na tua caixa de mensagens. Ficarei muito feliz se tu me retornar explicando tudo direitinho, pra ver se eu entendo melhor o que está acontecendo.
Mas antes disso, volta ali e lê de novo, porque eu não defendi que 30 mil vozes chamem um atleta negro de "macaco". Forte abraço!

JC Baldi disse...

Olha, eu estava no estádio e não ouvi, o que significa que foi uma minoria. (o que não atenua tbém)
Concordo em gênero, grau e número que tá na hora de esquecer o Inter nos cânticos. Não vejo a menor necessidade disso.
A diretoria poderia recomendar numa conversa com as organizadas que suprimessem alguns termos que não têm o menor sentindo. "tomo cocaína e lsd..." "macaco imundo", etc.
Tbém não se pode ficar passivo assitindo isso até que uma hora tomamos uma punição por conta de 200, 300 torcedores.
E do meu ponto de vista, cantar coisas racistas ou homofóbicas é a mesma coisa, só muda a ofensa.

Maicon Nite disse...

Escrever bonito em um blog de merda todo mundo escreve, mas na hora que imitarem um macaco no Olímpico do teu lado tu vai rir, como sempre. Vocês só amam jogadores cabeludos que falam espanhol, como o Maxi Lopes. É por essas e outras que vocês merecem o time que tem. Uma torcida de merda merece um time de merda. Ninguém é prepotente e racista e sai impune. Continuem cantando em espanhol e fazendo avalanches. Mais uma década medíocre espera por vocês.

Renato disse...

Maicon Nite, mais um verdadeiro disseminador do ódio. Parabéns, campeão.

Jefferson disse...

Sou obrigado a comentar... Ser humano é tudo igual, não vão querer achar que agora os gremistas são racista, é ridiculo, preconceito é além clubes... Mas achei o texto interessante.

jana-monte disse...

"Uma torcida de merda merece um time de merda." caro maicon nite sinto lhe informar, mas a tua colocação foi muito infeliz. Tenho amigos colorados, meu ex namorado era colorado –fanatico- e negro, acabamos também por causa de futebol, sou Gremista fanática não iria dar certo mas nossa amizade continuou. Meu irmão é moreno já sofreu e creio que ainda pode sofrer com isso. só que macacos muitas vezes não é referido a cor de algum jogador 'negro' ou 'moreno' não sei como usar a palavra sem correr o risco de me acusarem de racismo. Cara, não sou racista e odeio quem seja, sabemos aqui em casa como é. Ainda mais pelo fato de sermos os dois adotivos, então vem um "peso" maior a ele quando se referem ao racismo e ainda mais por sermos adotivos. Um dos fatos de que vocês devem pensar no que estão falando no sentido do Grêmio (e/ou torcedores.) não aceitar jogadores negros, peço para notar que no Grêmio não há só "branquelos" esse conceito deixou de existir quando . Lembrem-se também do Paulão que grande parte da torcida o adora (va) não sei. e um que marcou a historia do Tricolor em 2005 na Batalha dos Aflitos... ANDERSON. Falando em 1955 temos o conhecido como tanque Tricolor, o Juarez. Que foi bi campeão gaucho em 1956 e 57. Então por favor, antes de chamar o Grêmio ou seus torcedores de merda, se liguem. "GAYS" tenho um numero pequeno porem que conscidero de amigos homossexuais. Então só digo-lhes uma coisa, são melhores companheiros do que a maioria dos machões aqui encontrados. Porque digo isso? Porque eles têm uma sensibilidade maior? Pode até ser. Mas todos são capazes de nos entender, e nos eles. E são seres humanos como nós. Então por favor, antes de tentar ofender alguém usando estes termos esdrúxulos pensam que o filho de vocês podem vir a ser homossexual. o que você fará dai? É amigo. Ser heterossexual não te faz melhor que ninguém não. Vão me criticar por ser mulher e estar metida nos comentários aqui? Então deixo a dica que sou uma mulher, Gremista, e conhecedora do meu time, pois busco por meio de livros (tenho 8 livros do Grêmio, alguns falando de Gremistas apaixonados, outros da sua história) ou seja, por eu ser mulher não quer dizer que não sei ou não entendo de futebol. E desculpe – me se cometi algum erro em meu comentário, mesmo ele sendo menor do que o do nosso amigo maicon nite.

Rodrigo disse...

Você está colocando como forma par amenizar os atos racistas e preconceituoso, onde os gremistas são gay`s,e os colorados são macacos... uma coisa não justifica a outra...
Racisto e preconceito é igual em qualquer parte seja pelos negros (macacos colorados) seja pelos Gay (gremista da poltrona 36).

martina disse...

quem de forma oficial e institucionalizada faz a relação macaco + cor, como é feita no caso do escurinho, deveria pensar mil vezes antes de acusar alguém de preconceito.

sem mais.

heraldo disse...

Se não fores racista, e nem nazista,e esta se sentindo ofendido, contrate um advogado, e faça com quem te acusa provar que o és. simples como abrir uma banana.

heraldo disse...

Quem esta achando-se ofentido,por ser chamado de racista ou nazista, pegue um advogado, entre na justiça e peça para o vivente provar.Simples como abrir uma banana.

roque disse...

Enquanto isso.... quem rebate as críticas? Ninguém. Quem anuncia contratações? ninguém. Onde estavam os dirigentes nestes 5 meses de mandato? Além de visitarem as obras e fazerem belos discursos? Quem estava garimpando jogadores para reforçar o time. Temos um bando de PAVÕES que foram eleitos dirigentes e estão preocupados com suas coisas e não com o clube. O campeonato brasileiro vai começar e não temos um plantel confiável, apenas um técnico que tira leite de pedra. Precisamos urgente CONTRATAR UMA NOVA DIREÇÃO, de preferencia que entenda de futebol e de gestão e não AMADORES.

Tiago R. Lammers disse...

Falaste bem e falaste bonito. Triste é ver personagens da mídia gaúcha amplificando este fato de racismo a níveis incompatíveis com a denúncia (2 pessoas falando o que outros falaram).
O que me entristece é saber que pela mídia o clube do aterro tem mais divulgação que o Grêmio. Me pergunto se nos demais estados do Brasil acontece o que acontece no RS com o Grêmio neste sentido.

Marcel Loguercio Ferreira disse...

Cara, concordo em parte com o texto, uma coisa é certa a imensa maioria gremista não é racista. Outra: há racistas também na torcida colorada. O problema está na origem deste apelido de macaco que sem sobra de dúvidas é racista. Os gremistas se referem, ou se referiam há muito tempo atrás, assim aos colorados por que a nossa torcida é muito mais negra que a de vocês, ou era. Se eu fosse gremista não dava vazão e muito menos defendia essa forma de se referir aos colorados. Pra nós não faz a menor diferença, pois temos orgulho de sermos negros e não vemos relação maior dos negros com o macaco do que dos brancos com o bicho, afinal ambos viemos do macaco. De qualquer forma acredito ser uma boa oportunidade pra debater o caso, pois o racismo está aí em nossas vidas no dia a dia de gremistas e colorados. Acho mais que devíamos tratar esse assunto sem a paixão clubísticas exacerbada, falo isso e lembro de Tesourinha, Lupicínio, Valdo, Tinga e tantos outros gremistas tão negros quanto a cor que o grêmio traz na bandeira.

Jefferson disse...

Quanto ao comentário do colorado que se intitulou rbs-gremista, é muito louvável o teu texto. Louvável porquê tu fostes muito correto nas tuas palavras. Mandei um e-mail ao Wianey Carlet e falei basicamente a mesma coisa. Mas o que as pessoas de fora têm que entender é que o nosso sentimento não é o de defender o racismo, pelo contrário, nós gremistas somos contra toda e qualquer forma de discriminação. A imprensa gaúcha, infelizmente, dá muita atenção aos casos que envolve o Grêmio, mas nunca denuncia nada do lado vermelho. Ou algum jornalista vai me afirmar que só existe santinho e famílias no Beira-Rio? Senhores, de hipocrisia, deixemos somente para a imprensa. Ótimo blog e post!!

Tarsis Salvatore disse...

Acho que o politicamente correto não muda necessariamente a cabeça de ninguém.

Xingamentos no futebol são "normais", incluso aqueles cuja origem é racista ou homofóbica. Do contrário todo jogo teremos um juíz processando torcida de futebol por insultos desta natureza.

Não é bonito, não e correto e nossos filhos não merecem isso, porque futebol é algo que atinge a psique emocional de todos.

Agora eu pergunto: porque punir um time se TODAS AS TORCIDAS tem indivíduos assim?

Se nosso país fosse sério, a punição ampla e irrestrita viria desde lá de cima, descendo até chegar ao ponto de afastar marginais das torcidas. Mas como INFELIZMENTE não existe punição, nem no Senado e nem na arquibancada, minha sugestão simplista é: isso é uma discussão inútil, paliativa e com clara intenção de prejudicar o Grêmio.

Se o futebol é um espelho da sociedade brasileira está muito claro porque ele é tão picareta, melindroso e hipócrita.