segunda-feira, 11 de julho de 2011

Rotos valores

Ontem no Olímpico tivemos o derradeiro capítulo da Tcheco Mania. Vos digo, ainda bem que acabou. Página envelhecida e sem nada de relevante na história tricolor. Mas aparentemente elevada às páginas douradas de nossa história por uma torcida SEQUIOSA por ídolos.

Tcheco representa como jogador um período terceiro-mundista do Grêmio. Onde times medianos, pra não dizer ruins, mas que formava um conjunto coeso (de ruindade, mas voluntarioso) chegava invariavelmente no QUASE LÁ, um patamar só quebrado com uns dois ou três ruralitos.

Ontem no estádio, a OVAÇÃO a um símbolo da mediocridade beirou o inaceitável. Aplausos efusivos e demonstração de saudades de um tempo que não quero lembrar pois não tenho recordações relevantes. Tcheco nunca foi um grande jogador. E inclusive sumia muito de campo quando mais precisávamos dele. Que o diga a equipe do Boca Juniors em 2007.

E hoje, quando fui criticar isso, via twitter, recebi uma verdadeira BLACK SHOWER de Tchequetes indignadas. Algumas ressalvas devem ser feitas e serão: Tcheco sempre foi um cara de lisura e honestidade ímpar. Deu. Como jogador, alternava bons e péssimos momentos. Evidentemente compensados com vontade e contra adversários ruins.

O que vem ao caso aqui, nem é essa BABAÇÃO com o ex-capitão. As palmas foram suficientes e deu. O que vem ao caso é a total falta de ídolos e valores que perdura no Olímpico a exatos 10 anos. Pra quem idolatrou (ou melhor, IDOLATRA) Dinho, Goiano (que sequer tem um trapo dependurado nas muradas da cancha), Paulo Nunes & Jardel e Danrlei, só pra ficar nos mais fáceis, essa histeria com o Tcheco é um INSULTO pra mim.

É como o cara pintar o Legião Urbana como a melhor banda brasileira de todos os tempos. E cada vez que isso acontece, um protótipo de Milton Nascimento; um baby João Gilberto; uma banda de garagem com talentos semelhantes aos Mutantes e aos Secos & Molhados não saem do papel.

8 comentários:

Tito disse...

Cara, acho que as palmas são na verdade pala pessoa que passou pelo Olímpico. Sempre gostei do Tcheco pela pessoa que ele aparenta ser e pude, com orgulho, falar pessoalmente isso pra ele. Acho que ele representou bem o Grêmio. E se tivessemos ganho a Libertadores de 2007 certamente ele seria bem mais idolatrado. Também vejo esta idolatria em Sandro Goiano e eles são contemporâneos.

R!CARDO disse...

Com todo respeito (ou com a total falte dele, tanto faz) acho que tu abriu o bebedor de lavagem e CAGOU pela boca (ou pelo teclado, como quiser).


Por mais mediano que tenha sido o Tcheco (ou o Sandro Goiano), acho que num momento ruim como esse, pior do que a falta de ídolos recentes é tu tentar diminuir a admiração da torcida (minha inclusive) por um cara que se identificou afu com o time.

Felix disse...

Tambem concordo com o Tito. E nem sei se é idolatria mesmo. Creio que seja respeito por uma grande pessoa, acima de tudo. Nos dias de hoje, vejo muito poucos jogadores de caráter.
Tcheco não era craque, mas um bom jogador sim, e vestiu com respeito o manto tricolor e honrou a camisa. Há de se ressaltar que o time inteiro era medíocre.
E, craque para mim, são poucos. A mídia endeusa qualquer um hoje.
E para ser ídolo, penso um pouco diferente. Além de craque, tem de ter caráter e ganhar títulos.
Dá para contar em uma mão só. Está faltando um "Senna" para marcar época no nosso Grêmio.

Abraços
Felix

TiagoR disse...

Pra mim valeram as palmas também.

Isso em nada tem a ver com o futebol jogado.

É só esperar o Dentuço desnaturado pisar no Olímpico pra ver a reação da torcida.

Ambos só ganharam ruralito. Mas fora do campo, quanta diferença...

DM disse...

Não vejo motivos pra essa ira toda contra os admiradores do Tcheco. Ele pode não ser nenhum super-craque, mas também não é pilantra, como um certo dentuço. Apesar disso, acho que, em termos de futebol, ele foi tão importante para a história do Grêmio quanto o Renato...

...Russo, não Portaluppi.

addy disse...

exatamente por isso estamos há 10 anos sem ganhar nada, o cara que se identifica, é esforçado não presta, bom mesmo são os craques como LUIZÃO, MERCENÁR10, Etc..Infelizmente esse foi o comentário mais estúpido do blog nos últimos anos, Tcheco se diz gremista, apenas isso, não precisa ser taxado como uma era de insucessos,hoje o futebol é feito de mercenários sem identidade
Pra mim é melhor fazer reverência ao Tcheco com seus ruralitos do que com o Gabirú.
Obs. PQP me deu xurrio só de ler J. Gilberto, Secos & molhados , etc. - isso explica a sua opinião sobre futebol........

Alexandre disse...

Muito bom Snel. Mais um texto perfeito. O Tcheco sempre foi um grande de um merda amarelão do caralho!!! E a parte da torcida que foi aplaudir esse bosta tem mais é que se fuder com dez anos sem nenhum título relevante! Pois se depender de jogadores cagalhões como o Tcheco o tricolor só vai ganhar algum título daqui uns 50 anos.

E Legião Urbana é uma grande merda, apenas superada por Los Hermanos!

Arthur disse...

Assim parece que o Tcheco foi a culpa dos 10 anos sem títulos né?

A culpa dos 10 anos está fora da casamata ou/e do gramado, está na presidência.

Reconhecimento não é defeito.