terça-feira, 23 de agosto de 2011

É a chave grande, imbecil!

A cena todo o mundo conhece: figurante andando em um lugar escuro, sozinho, bem tarde. Ouve um barulho e, com medo, olha: do escuro sai um animal (gato, cachorro, gambá), ele suspira aliviado, ri e segue rumo a uma porta (de carro, casa). Ouve outro barulho, vai se virar novamente mas lembra do animal e segue seu caminho, rindo. Mas, dessa vez é um inimgo (monstro, serial killer, psicopata) que sai, o atinge, mas não em cheio. O figurante corre, cambaleando, vai até a porta e, mais trêmulo que qualquer coisa, tenta abrir com seu molho de duzentas chaves, enquanto o inimigo vem crescendo no mesmo take de câmera e a música de terror aumenta, até que... ááááááááááhhhhhh!

Pelo andar da carruagem, já estamos tentando abrir a porta, tremendo tipo bicho. E o inimigo tá chegando. Já se foi o primeiro turno e aqueles que apedrejaram o Duda Kroeff no ano passado estão fazendo mais cagada do que disseram que ele fez. E o pior: não sabem o que fazer para resolver. O remédio amargo de sempre, Rothavil, não parece funcionar. A torcida também não sabe o que fazer: vaia ou apóia? A culpa é do Marques, do Victor ou do Douglas? Os "analistas", que sempre sabem tudo, voltam a insistir no Sobrenatural de Almeida, inventando desde brigas no vestiário, salários de meio milhão e até papos com a mãe de jogadores fora do bom caminho. E, todos trêmulos, esquecem de buscar a chave que vai abrir a porta, enquanto o monstro já está bufando no cangote.

E aí, ninguém vai gritar para o nosso figurante tricolor "é aquela chave grande, ô retardado!"? O que está acontecendo com o Grêmio? Simples. O nosso grande presidente não demitiu o Renato. Ou melhor, demitiu um e colocou dois outros no lugar. O Douglas, antes do jogo contra o Atlético Goianiense já deu a morta: o mesmo time, no ano passado, conseguiu levar o Grêmio até a Libertadores. É o mesmo time, mesmo com outro técnico. No lugar do "losango", no último jogo o Roth colocou a sua filosofia que perdeu pro Mazembe: três volantes e um meia enforcado, sendo responsável por assobiar e chupar cana ao mesmo tempo, bem como um atacante somali, de tão desnutrido, lá na frente, enquanto o outro atacante tem que "compor" usando um violão de uma corda só. Esquema manjado como o que se gastou com o Renato, já que o nosso meia improvisado de 2010 acabou com o seu repertório, e o degolado, sem peças, não pode mudar. Hoje o tricolor tem Marquinhos, mas "não podem jogar dois lentos juntos". Todos "sabem" disso. O nosso "semideus" de Futebol, investidor de político, já avisou que não vem ninguém. Então o que fazemos? Fechamos as portas, como o 15 de Campo Bom?

A chave grande que abre a porta, bando de moscão, é parar de inventar um esquema para o Grêmio jogar e colocar o Grêmio para jogar em um esquema. Chega de "meias que voltam", "atacante completo", "meia que marque". O Grêmio tem que ter o esquema que explore o (único, que seja) aspecto positivo de cada jogador. Se é todo o mundo perna de pau, se ninguém merece usar a camiseta do Grêmio e até o goleiro da seleção é pior que o Eduardo Heuser, pra que tentar treinar o Carrossel da Holanda dos anos 70?

Quer jogar com um meia só? Joga no 3-5-2, desgraçado. Daí dá para fazer o que os "sábios" da análise tática tanto pedem, a passagem pelo lado dos alas que não precisam mais correr o campo todo, porque não precisam mais ficar sempre olhando as costas já que os volantes cobrem. A defesa tá ruim? Mete um zagueiro na sobra, cáspito, para que cada um pegue um atacante e outro não deixe o Victor sempre em roubada. E joga com dois lá na frente, ignorante, para que, pelo menos uma vez, cinco defensores não possam simplesmente esmagar o nosso ataque para ele receber o rótulo de inoperante, como se a culpa fosse só dele. Se acham o Adílson ruim, é pior ainda quando todas a bolas de ataque precisam passar por ele porque, como não tem outro meia, o guri tá sempre sozinho, como contra o Atlético no último Domingo. Tenham dó.

Ah, mas 3-5-2 é proibido (por falar nisso, esse número é mais temido do que o próprio Celso Roth no Olímpico...)? Então, imbecil, escala o time pra jogar com dois meias LENTOS, que não sabem marcar, que é o que a gente tem. O Rochemback cria, mas lá na fazenda dele em Lajeado, não em um campo de Futebol. A gente não tem um volante como o Hernanes, ou o Anderson. O nosso meio de campo é como se fosse Dinho-Goiano-Carlos Miguel-Emerson, e a gente foi campeão assim. Pra que inventar hexágono-vai-vém-diabo-a-quatro-arestas? O Odone trouxe o Roth, mas esqueceu da ortodoxia. Mija o cara e bota o bigode nele, se for preciso, mas para de deixar ele inventar. Não existe mais tempo para invenção. E vai tomar no cu com essa de que "o Grêmio sempre jogou com três volantes". O Grêmio nunca foi campeão com três volantes.

Gurizada, pior que a coisa feia, é desespero. E tá todo o mundo desesperado. Foco no próximo jogo. É só fazer o simples e a gente sai dessa. Abre a merda da porta antes que o Jaison agarre o tricolor. E troca de canal no ano que vem, porque sempre o mesmo filminho de terror tá horrível de engolir.

10 comentários:

Dewes disse...

Quero dizer que sou completamente a favor de o Roth voltar a usar bigode. Imposição porra. Como tá, tu não ganha de ninguém.

Faca 10k10 disse...

Concordo... chega de invenções!

Lukito disse...

Bom dia a todos os tricolores.
Quero dizer que o que está escrito acima, são excelentes palavras de quem conhece. E também que me fez perceber uma coisa. Nós torcedores sabemos de tantas falhas, de coisas que poderiam dar certo e não são utilizadas...
Me diga, quantos tricolores imortais tem neste Brasil, ou no resto dos países ? Um monte. E não é possível que a soma da inteligencia de um monte, não seja grande o suficiente para que um tirano não possa ficar alertar e resolver mudar alguma coisa. O poder verdadeiro não está com aquele que é mais alto, e sim naqueles que somam. Vai deixar o time rebaixar para dizer ao torcedor que "realmente fizemos escolhas erradas" ???? Pelo amor de Deus, amigos dirigentes e responsáveis. ATITUDE.

Conde disse...

Bem por aí...

AS vezes fazer o óbvio não parece coisa de profissional!
"Eu preciso criar um esquema diferente pra que digam " Tão vendo?? Graças a mim esse time ganhou!! Se não fosse isso não teríamos evoluido!!!

Porra...custa fazer o óbvio?? Dois volantes, dois meias, dois atacantes, dois zagueiros... Coitado do alemão, tava perdido em campo...sempre no meio do caminho

Cara Palida disse...

HAHAHAHAHA rachei o bico!

Uma correção: o Rocka é de Soledade, nada a ver com Lajeado! rsrsrsrs

Uma costatação: o raciocínio tá certo mas SEM O RAFAEL MARQUES. Mais quantos treinadores (além dos 3 - Silas, Portaluva e Batatinha) ele vai derrubar?
Por favor "deuses do olimpo". Tão esperando oque? O Papai Noel vir a público e dizer que tudo é uma encenação?

Dá-lhe Grêmio!

Abr.,
Paulo

Matheus C. Amorim disse...

Cara, mataste a pau. Que bom seria se Celso Roth recebesse este texto antes do GREnal. É exatamente o que penso sempre que assisto aos jogos do Grêmio: por que não fazem o mais simples? Até eu, que de especialista em futebol não tenho nada, consigo enxergar a quantidade de jogadores adversários que ficam sem marcação, e como nossos atacantes ficam sozinhos lá na frente, sem ter a quem passar a bola. Se eu vejo isso, como um técnico não vê?
P.s: se puder, dê uma passada em meu blog, http://olimpicomonumental.blogspot.com, e dê sua opinião sobre ele.
Abraço Tricolor!

@snel disse...

Fagner pra executivo de futebol, DJÁ!

raul germano disse...

3-5-2 é a fórmula óbvia e dada, MAAAAS O NOSSO TÉCNICO ELE O JUAREZ , E COMO TODOS SABEM ELE TEM HORROR, AVERSÃO, PANICO DO ÓBVIO E SIMPLES , ENTÃO FUDEU NEGADS. O negócio é ir domingo pra cancha e apoiar mesmo como se não houvesse amanhã, fazer com que nos escutem e rezar pra que de alguma forma consigamos fazer com que os 11 do juarez tirem bola de onde até aqui parecer não ter.
abraço , grande blog e aguante tricolor.

D. Liévana disse...

Concordo com tudo oq disseste, Fagner. Aliás, teus textos são os mais coerentes do blog e mais semelhantes à minha opinião como torcedor. Entretanto, é impossível negar o desespero. A diretoria está desesperada, alguns dos nossos jogadores tb e uma pequena parcela não está nem aí, isso é um tanto óbvio. É preferível o medo, pois este nos leva a coragem e talvez a superação. Desespero não tem cura e no fim do filme, quem tá desesperado sempre mete uma bala na própria cabeça.

polidori disse...

Muito bom o texto!
Acho que falta uma continuidade mesmo e explorar o que tem de melhor.
No momento é Marquinhos, Mário e Escudero.
Fernando é promessa, e acho que o Júlio César vai crescer de produção e vamos chegar no fundo mais vezes...
Mas e cadê lateral direito hein? Quanta lambança... Temos 3 esquerda e nenhum direita?