segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Mudou o Grêmio, já a nossa imprensa...

Eu sei que esse assunto já foi tratado exaustivamente aqui no GL, mas se tivesse sido o suficiente não seria preciso retomá-lo. A falta de profissionalismo de certos jornalistas, e alguns eu diria ícones da crônica esportiva do RS, é assombrosa.
Tenho o hábito de assistir aos jogos no Monumental em companhia do meu rádio. O problema é que em muitos casos não vejo a mesma partida que a nossa imprensa. Sinceramente gostaria de saber que jogos eles assistem. Possivelmente algum que só passe dentro da imaginação de cada um.
O problema disso é que o torcedor que está só ouvindo pelo rádio, ou mesmo assistindo pela TV não consegue perceber os absurdos que são cometidos.
Ontem, e vou me deter apenas a ontem, novamente tivemos episódios dignos de serem utilizados como exemplo em teses sobre a ética no jornalismo.
A imprensa esportiva definiu que a torcida gremista não gosta do Douglas. E se eles definiram está definido, ponto. Citaram vaias isoladíssimas como se elas representassem a opinião dos 30.000 torcedores que ontem compareceram ao Olímpico. Me desculpem, mas enquanto não existir um coro de vaia ao Douglas como foi o Hey! Galvão! Vai tomar no c*, ocorrido na final da Libertadores de 2007 não se pode afirmar que a torcida tricolor não gosta do jogador. Falando nisso, nunca vi ninguém dizer ou perguntar ao Galvão, ou enfim, fazer qualquer referência aquele episódio. E se tivesse ocorrido com um jogador do Grêmio?
O coroamento do péssimo exemplo dado pela imprensa foi a entrevista coletiva. Eles se sentem tão acima do bem e do mal, que não se preocupam mais em esconder ou disfarçar a intenção de manipular a notícia. Está lá registrado para quem quiser ouvir a pergunta que foi feita para o Adílson Batista, distorcendo de forma escandalosa um comentário do Celso Roth sobre as atuações dos bambis.
Isso sem falar na pergunta totalmente maldosa feita ao Douglas sobre ele vaiar jogadores que admirava, o repórter em questão poderia ter abastecido todos os estoques do Butantã com tanto veneno destilado.
Eu poderia deixar de ouvir o jogo pelo rádio, me incomodaria menos, mas não, prefiro continuar para que possa vir até aqui colocar minhas considerações
Quem sabe um dia não rola um Hey! Pedro!

7 comentários:

Vitor Torres disse...

Sandro,

Moro em Curitiba e assisto todos os jogos do gremio via PPV e acompanhado de doses "escandalosas" de comentários maudosos via rádio.
Acredito que estamos ouvindo a mesma rádio e tive a mesma impressão que tu quanto as perguntas para o capital américa e ao Douglas.

Te confesso que não entendo o que esses "reporteres" ganham fazendo esse tipo de coisa.
De repente eu seja muito "naíve" mesmo...

Abraço,
Vítor

Fernando disse...

Eu também não entendi quando falaram sobre vaia ao Douglas. Da onde tiraram essa?
Estão querendo colocar alguma coisa na cabeça do jogador!?
O time jogou muito bem contra um adversário difícil!
Não vi, nem ouvi, nenhuma vaia da torcida a não ser contra o juiz careca sem vergonha.
Douglas, Marquinhos e Escudero estão se dando muito bem juntos.
O time todo está muito bem, é difícil escolher apenas um destaque na partida.

Soletti disse...

São maldosos e aí, quando um Carlos Alberto, Falcão, Roth ou Muricy da vida vai pra cima deles, ficam todos de mimimi e corporativismo, querendo se esconder atrás da liberdade de imprensa. E o pior deles, o maior fofoqueiro, é aquele Luis Henrique Benfica, que deveria ser colunista da Caras ou da Contigo.

Fagner disse...

Tinha um gurizinho de uns cinco anos na minha frente no jogo todo fardado e de radinho no ouvido. Bem sério, prestando atenção no jogo. Daqui a pouco ele disse: "mas pai, o nosso nem encostou no deles e tão dizendo que foi falta!" sobre um lance do Adílson no meio de campo e o que o Rádio tinha mentido para ele. Muito marmanjo jura que o que está dando no rádio é mais verdadeiro do que o que eles vêem no campo. O guri não viu a falta que o juiz deu e que o jornalero estava concordando. Naquele lance, para mim, o guriziho é que estava certo. Nessas horas é que dá para acreditar que existe futuro.

Saludos,
Fagner

Rafael (Jack) Nogueira disse...

Cara, me identifiquei muito com o post, pois eu tb gosto de ver o jogo (no estádio ou em casa) ouvindo a porcaria do rádio, pois afinal de contas é dali q saem as informações com maior agilidade - substituições, gols da rodada, etc. E (ainda) acho q a menos pior é a tal da Gaúcha.

Mas confesso q é cada vez mais difícil de aguentar... Como são sacanas! Como gostam de uma intriga!

E tem tb a miopia do narrador-mor, q é evidente e comprometedora. Paulo Brito e Batista, nem se fala, são tão tapados q eu quase chego a achar q precisam de cuidados especiais. O Benfiquinha esse chega a dar nojo, de tão fofoqueiro.

Mas atualmente nada me diverte mais do q a quase insanidade do coordenador de esportes da rádio dos bispos. Ouço o programa das 17hs qdo estou saindo do serviço e me divirto, de verdade. É quase um programa humorístico pra mim.

Kosmalski disse...

Observem as manchetes para ver a diferença que um portal imparcial tem para um portal pago pelos moranguinhos:
http://www.clicrbs.com.br/esportes/rs/noticias/futebol,3484598,Autoridades-visitam-trabalhos-de-modernizacao-do-Beira-Rio.html
http://esportes.terra.com.br/futebol/brasil2014/noticias/0,,OI5345362-EI10545,00-Romario+elogia+obras+e+ve+Arena+do+Gremio+como+possivel+sede.html
É triste a parcialidade dessa imprensa no RS.

Jésura disse...

Outro episódio envolvendo a imprensa foi o caso do Victor. Mesmo em má fase, não vi campanha da torcida pedindo que ele fosse pra reserva, mas sim da própria imprensa. Todo jogador tem seu período de declínio técnico, mas quando se tem muita qualidade, a recuperação é só uma questão de tempo. A torcida deu crédito aos seus quase duzentos jogos fechando o gol, já a imprensa nada profissional se baseou em quatro ou cinco maus jogos pra vender manchetes...